sábado, 3 de abril de 2010

Histórias reais


Encontrei a dica do vídeo abaixo no blog da Martha Medeiros e não pude deixar de reproduzi-la aqui. Nele, a escritora Chimamanda Ngozi Adichie atenta para a importância de não conhecermos apenas o único lado de uma história.
Enquanto
eu assistia o relato, dezenas de pensamentos pipocaram em minha mente: as lembranças de quando cobri o lançamento de uma edição especial dos Cadernos Negros e uma das palestrantes disse que “a literatura sempre foi um privilégio das elites”. De outro momento, quando participei de um debate sobre a chamada literatura negra, e um escritor rechaçou esse termo, pois, para ele, “sufoca a diversidade”, enquanto outro literato defendia a utilização da terminologia, afirmando que em determinado momento da vida percebeu que deveria “dar cor à sua literatura”. De quando ouvi, inebriada, a apresentação alegre e empolgada de uma orquestra sinfônica africana e um dos integrantes explicou a escolha do repertório. “A maioria das músicas são de alegria e de agradecimento. Todos temos motivos para agradecer”. De quando um professor, ao notar que eu olhava insistentemente para o livro em cima de sua mesa, fez um breve relato da história, dizendo que se tratava de uma menina negra que rezava todas as noites para ter os olhos azuis. De como fiquei sem resposta quando um menino me disse "eles não gostam da gente, só de quem é claro como a luz do sol". De quando entrevistei um escritor e deputado angolano sobre as muitas “Áfricas na África”. E de como fiquei frustrada por não conseguir assistir a mesa “Guerra e Paz”, na Flip de 2008, com Pepetela, José Eduardo Agualusa e Chimamanda Ngozi Adichie – a autora do relato abaixo.

Para ativar a legenda em português, clique em "View subtitles" e selecione “Portuguese (Brazil)”.




4 comentários:

Cleyton Cabral disse...

Fiquei encantado com o discurso. Maravilhoso!!!!

Camila F. disse...

Maravilhoso mesmo...Obrigada por postá-lo, Michele!

carina gomes disse...

Já tinha assistido ao vídeo no blog da Martha, é mesmo belíssimo, acabei inclusive retornando ao trecho onde ela diz que se escolhesse só a parte triste de sua vida para contar, estaria sendo injusta, pois sua vida tb foi recheada de coisas boas. Lindo, não?
Michele, ando tendo francos problemas com o português, é sério, estou esquecendo como se escreve algumas palavras. Se escrevi alguma coisa errada, please, me fale, ok?
Bjs

Michele Prado disse...

O vídeo é maravilhoso mesmo. Também fiquei encantada!