quinta-feira, 2 de julho de 2009

Por um Brasil literário

.
"(...) Liberdade, espontaneidade, afetividade e fantasia são elementos que fundam a infância. Tais substâncias são também pertinentes à construção literária. Daí, a literatura ser próxima da criança. Possibilitar aos mais jovens acesso ao texto literário é garantir a presença de tais elementos – que inauguram a vida – como essenciais para o seu crescimento. Nesse sentido é indispensável a presença da literatura em todos os espaços por onde circula a infância. Todas as atividades que têm a literatura como objeto central serão promovidas para fazer do País uma sociedade leitora. O apoio de todos que assim compreendem a função literária, a proposição é indispensável. Se é um projeto literário é também uma ação política por sonhar um País mais digno."
***
O trecho acima integra o manifesto “Por um Brasil Literário”, de autoria do poeta e escritor Bartolomeu Campos de Queirós, que foi lançado nesta quinta-feira (2/7) na Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), com o objetivo de acolher propostas e engajar o maior número de pessoas na promoção da leitura no País.
Para aderir a iniciativa e acompanhar as ações de incentivo à leitura literária, clique aqui ou acesse o site http://www.brasilliterario.org.br/. Como diria Monteiro Lobato, "Um País se faz com homens e livros".

Um comentário:

Raoní Santos disse...

as vezes eu penso... o livro é útil para que possamos a crescer como homens em um mundo que nós homens inventamos.